CRIME AMBIENTAL COMETIDO POR PALMITEIROS

Foram apreendidos mais de 400 kg de Palmito Juçara (Euterpe Edulis), in natura, extraídos ilegalmente do Parque Nacional do Itatiaia. A ganancia do homem está levando esta espécia a extinção. Esperamos que os envolvidos sejam punidos exemplarmente. Como sambemos a palmeira Juçara é considerada uma espécie chave dentro do ecossistema da Floresta da Mata Atlântica. É um elo importante da flora, devido ao grande interesse que espécies da fauna (aves, como o tucano e a jacutinga, e pequenos roedores, como a cotia e a paca) têm pelos frutos desta palmeira. Estas e outras espécies da fauna são vetores de disseminação do juçara por toda a floresta. Os frutos ocorrem em boa quantidade e permanecem nos cachos por grande período a cada frutificação, chegando a seis meses de disponibilidade desde seu aparecimento até a maturação. Há, pois, uma estreita relação entre a fauna e a palmeira juçara; daí a grande importância de sua manutenção. Sem contar que leva ao menos de 12 a 15 anos para ser uma palmeira adulta. Para registrar a OSCIP – Associação Ecológica Piratingaúna está produzindo em seus viveiros, desde a germinação até a fase de plantio a palmeira juçara com vista a recomposição e enriquecimento da flora da Mata Atlântica, sendo assim, nós que sabemos o trabalho que dá para produzi-la, nos deixa ainda mais indignados por conta deste CRIME cometido contra o PARNA Itatiaia.

Eduardo Wernech Presidente – OSCIP

  • Rua Maria Luiza Gonzaga, nº 217, Ano Bom - Barra Mansa / RJ - CEP: 27.323-300
  • +55 24 97403-2849 e +55 24 3323-0224