Oitava intervenção em áreas de Nascentes em Santa Rita de Cássia

Esta é a Oitava intervenção em área de nascentes, sendo desta feita no entorno de nascente na localidade Santa Rita de Cássia, propriedade da Sr. Gilberto de Souza, na Rua da Figueira, segunda propriedade a direita, foi feito o trabalho de coroamento, coveamento e plantio de 510 mudas distribuídas quantitativamente por 32 espécies de nativas de mata ciliar e frutíferas da Mata Atlântica. O Plantio foi realizado adensado com espaçamento de 2 x 2 mts, foram utilizados 1.8 litros de hidrogel por cada muda e a proporção de 140 gramas de NPK – 4-14-8. Vale ressaltar que estiveram presentes os membros da comunidade de agricultores que participaram ativamento do processo de plantio e se propuseram a cuidar das plantas. Além da presença do secretário de Meio Ambiente, Marinho Branco, do novo Secretário de Agricultura Roberto Beleza e representantes do CONDEMA, bem como a representação de diversas outras secretarias. As atividades do projeto denominado Produção de Águas, continuam nos próximos dias, segundo o cronograma de atividades uma próxima intervenção ocorrerá em outras nascentes que se encontram no distrito de Santa Rita de Cássia, são 102 nascentes vamos continuar a buscar a eficiência na recuperação florestal naquela importante região de produção de folhosas.

Falha Teste de transposição do Rio São Francisco

As já atrasadas e polêmicas obras de Transposição do Rio São Francisco tiveram mais uma falha nesta terça-feira (14). Desta vez, segundo fontes, o problema foi nos primeiros testes para o bombeamento de água do lago de Itaparica, às margens da cidade de Petrolândia, no Sertão pernambucano, objeto de mais discussão nesse fim de semana devido à situação na barragem, que está com 17% da capacidade total.

O Ministério da Integração Nacional deve se posicionar nesta quarta (15) sobre o assunto.

De Itaparica, a água deverá ser bombeada por mais de 60 metros de altura até um arqueduto que a levará por gravidade até Areias, outra das barragens no caminho das águas. Os primeiros seis quilômetros estão preenchidos com água no canal de aproximação, que vai da Barragem de Itaparica até a estação de bombeamento EBV1.

“Nenhum teste deu certo desde ontem, às 14h. O pior é que não sabem exatamente qual é o problema”, contaram os informantes do blog. De acordo com essas informações extra-oficiais, pode ter havido falhas técnicas e elétricas, como o travamento e o retorno da água, por exemplo. Duas das quatro bombas foram testadas desde essa segunda-feira, já que as outras ainda não foram instaladas.

Segundo o diretor de operação da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), Mozart Arnaud, a subestação responsável pela energia que abastece as bombas, em Floresta, na mesma região, está em funcionamento.

Para lideranças políticas na região, em função do segundo turno das eleições, houve pressa para adiantar os testes por questões eleitoreiras: uma suposta visita da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, à obra, para gravações do guia eleitoral, chegou a ser especulada.

“Se essas pessoas trabalhassem no Luz para Todos, o Brasil inteiro já estaria energizado”, afirmou um interlocutor do Governo Federal na região.

Uma mobilização da população rural de Petrolândia, às margens da barragem onde a água é retirada, tentou impedir o acesso às obras, alegando que a retirada da água do lago para os testes iria prejudicar o abastecimento no município, foi contida pela Força Nacional de Segurança nessa segunda.

Também fez parte do protesto a reclamação de que a água ficará parada na barragem de Areias. Dessa forma, como afirmou o ministério em nota, o cronograma continuou com o fim do protesto. Segundo o órgão, até o final deste ano, a primeira etapa estará em pré-operação.

De acordo com Mozart Arnaud, ao contrário do que os manifestantes diziam, o que será retirado do reservatório é “desprezível”. “Não existe colapso de abastecimento, o que existe é uma dificuldade”, afirma. A vazão atual do Rio São Francisco é de 1,1 mil metros cúbicos por segundo e as bombas vão puxar 7 metros cúbicos por segundo. Normalmente, a vazão é de 2 mil metros cúbicos por segundo, mas a diminuição é atribuída à seca.

O objetivo da Transposição é levar água para mais de 12 milhões de moradores de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O relatório de execução física de julho mostrava que o empreendimento está 62,4% concluído. As obras seguiam então com 11.400 trabalhadores e mais de 3.900 máquinas em ação.

A obra, orçada em R$ 8,2 bilhões, tem dois longos canais. O Eixo Leste beneficiará Pernambuco e Paraíba e o Norte levará água para esses Estados, o Ceará e Rio Grande do Norte. A obra começou em 2007, na gestão Luiz Inácio Lula da Silva, orçada em R$ 4,5 bilhões. O Eixo Leste deveria sair em 2010 e o Norte, em 2012. O funcionamento da primeira etapa da obra foi adiado em dois anos, para até setembro de 2016.

Com a palavra, o Ministério da Integração Nacional.

Fonte: Blog de Jamildo

Sétima intervenção em áreas de nascentes "Produzir Água é o nosso foco"

Esta á sétima intervenção em área de nascentes, sendo desta feita no entorno de nascente na localidade Santa Rita de Cássia, propriedade da Srª. Geralda, tendo como responsável pelo local o Sr. Manoel, vale destacar que no Geoprocessamento inicial constava apenas uma nascente, a de número dezessete, para nossa surpresa descobrimos umas próximas das outras mais duas nascentes o que para todos foi uma agradável surpresa. Vale ressaltar que estiveram presentes os membros da comunidade de agricultores que participaram ativamento do processo de plantio e se propuseram a cuidar das plantas. Além da presença do secretário de Meio Ambiente, Marinho Branco, representantes do CONDEMA, bem como a representação de diversas secretarias. Desta forma as atividades do projeto denominado Produção de Águas, continuam nos próximos dias, segundo o cronograma de atividades uma próxima intervenção ocorrerá em outras nascentes que se encontram no distrito de Santa Rita de Cássia em vista de buscar a eficiência na recuperação florestal naquela importante região de produção de folhosas.

Projeto - Produção de Águas - Setembro 2014

Projeto - Produção de Águas, mais uma etapa concluída.

O serviço de tratos culturais em setembro deste ano de 2014 marca a sexta intervenção em área de nascentes, sendo desta feita no entorno de nascente na localidade Santa Rita de Cássia, propriedade do sr. Noé, feito o trabalho de coroamento, feitura de coveamento e plantio de 500 mudas distribuídas quantitativamente por 32 espécies de nativas de mata ciliar e frutíferas da Mata Atlântica. O Plantio foi realizado adensado com espaçamento de 2 x 2 mts, foram utilizados 1.5 litros de hidrogel por cada muda e a proporção de 100 gramas de NPK – 4-14-8.

Vale ressaltar que estiveram presentes os membros da comunidade de agricultores que participaram ativamento do processo de plantio e se propuseram a cuidar das plantas. Além da presença do secretário de Meio Ambiente, Marinho Branco, representantes do CONDEMA, bem como a representação de diversas secretarias..

As atividades do projeto denominado Produção de Águas, continuam nos próximos dias, segundo o cronograma de atividades uma próxima intervenção ocorrerá em outras nascentes que se encontram no distrito de Santa Rita de Cássia em vista de buscar a eficiência na recuperação florestal naquela importante região de produção de folhosas.

Plantio de mudas em Santa Rita de Cássia mais uma etapa do projeto produção de águas

Prefeitura realiza plantio de mudas em Santa Rita de Cássia

Ação faz parte do projeto Produção de Águas, da secretaria municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

A prefeitura de Barra Mansa, por meio da secretaria municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, realizou na manhã desta quinta-feira, dia 14, a quinta edição do projeto Produção de Águas. A iniciativa é uma parceria entre a secretaria e a Oscip Piratingaúna, que visa a recomposição de margens de rios e a recuperação de nascentes do município. Desta vez, o projeto aconteceu no distrito de Santa Rita de Cássia, onde foram plantadas 500 mudas de espécies da mata atlântica no entorno de três nascentes. Entre as espécies estão: pau brasil, amora, pitanga, goiaba, angico vermelho, ingá e paineira rosa.

“Esse é um projeto muito importante, ainda mais considerando que nesta área não tem nenhuma árvore nativa. Essa é uma ação pensando no futuro, para que não falte água”, destacou o prefeito Jonas Marins, que participou do plantio. Jonas lembrou que este projeto levou a prefeitura a participar do XIII Encontro Verde das Américas. Também conhecido como ‘Greenmeeting’, o encontro é um importante fórum que reuniu lideranças nacionais e internacionais para debater sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marinho Branco, esta é a segunda vez que o projeto acontece em Santa Rita de Cássia. “Ao todo foram plantadas 1.000 mudas no entorno de 15 nascentes do distrito. Essas mudas permitem o acúmulo de água nessas áreas evitando que as nascentes sequem”, informou, acrescentando que a localidade conta com 102 nascentes, que foram identificadas pela Associação de Produtores Rurais de Santa Rita de Cássia, que está apoiando o projeto.

O vereador Carlos Roberto Beleza, que faz parte da Associação de Produtores Rurais de Santa Rita de Cássia e acompanhou o plantio, fez questão de destacar a importância desse projeto para os agricultores do distrito. “Através desse plantio, aumentaremos a carga d’água que irriga as lavouras e, consequentemente, a produção de hortaliças”, disse. Segundo ele, Santa Rita de Cássia conta com 120 pequenas propriedades e uma média de 250 produtores que, no período de safra, produzem 30 toneladas de hortaliças por dia.

O grupo de intercambistas franceses, que está em Barra Mansa, também participou do plantio, acompanhados do secretário municipal de Desenvolvimento Rural, Leandro Machado. “Este é um projeto muito lindo e importante para o meio ambiente. Na França ouvimos falar que no Brasil tem muito desmatamento e ver a prefeitura se preocupando em plantar árvores, ao invés de só cortar, foi uma atitude que me surpreendeu e que deve ser seguida por outros municípios”, frisou a intercambista Imene Djaroud, que é engenheira ambiental e aproveitou para plantar várias mudas no distrito.

Fotos: Cris Oliveira

FONTE: (Coordenadoria de Comunicação Social)

Novo marco regulatório cria regras para parcerias entre governo e sociedade civil

Para estabelecer conjunto de normas próprias nas parcerias com o Poder Público, o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil será sancionado pela presidenta Dilma Rousseff, nesta quinta-feira (31), no Palácio do Planalto. A ideia é coibir a corrupção e trazer segurança à atuação das organizações de fato comprometidas com o interesse público.

O Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil cria instrumentos jurídicos próprios e estabelece regras para seleção das entidades e para etapas de execução, monitoramento e avaliação das parcerias. Entre elas, exigência de chamamento público obrigatório, três anos de existência e experiência das entidades, além de ficha limpa tanto para organizações quanto para seus dirigentes.

A lei também exige que órgãos públicos planejem previamente a realização e acompanhamento das parcerias, e prevê sistema de prestação de contas diferenciado por volume de recursos. A expectativa é de que isso deverá aperfeiçoar monitoramento e avaliação dos projetos, fazendo com que perspectiva dos gestores seja direcionada ao controle dos resultados alcançados.

Entenda o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil.

  • Rua Maria Luiza Gonzaga, nº 217, Ano Bom - Barra Mansa / RJ - CEP: 27.323-300
  • +55 24 97403-2849 e +55 24 3323-0224